Excesso de peso ligado a maior atividade da doença em mulheres com artrite psoriática

04/08/21
Excesso de peso ligado a maior atividade da doença em mulheres com artrite psoriática

As mulheres com artrite psoriática têm maior atividade da doença e menor probabilidade de atingir os objetivos do tratamento comparadas com homens, principalmente se tiverem um índice de massa corporal (IMC) elevado, de acordo com um estudo recentemente publicado na revista Rheumatology.

A prevalência da artrite psoriática é semelhante entre os sexos, mas os sintomas podem variar. Este estudo (Mulder et al., Rheumatology 2021) foi levado a cabo para avaliar as diferenças entre os sexos nos parâmetros de atividade da doença e na qualidade de vida na artrite psoriática, e avaliar se os fatores associados a não alcançar o objetivo do tratamento diferem entre homens e mulheres.

Doentes de uma clínica de reumatologia em ambulatório na Holanda foram incluídos neste estudo transversal. Os seguintes dados clínicos e demográficos foram utilizados para avaliar as diferenças entre mulheres e homens:

  • Psoriatic Arthritis Disease Activity Score (PASDAS), cujos componentes individuais incluíam
    • articulações inchadas e sensíveis
    • entesite
    • proteína C reativa (PCR)
    • dactilite
    • pontuação sumária dos componentes físicos da forma curta-12 (SF12-PCS)
    • pontuação visual análoga (VAS) da atividade global da doença pelo médico e pelo doente
  • Doença de pele/unhas
  • pontuação sumária dos componentes mentais da forma curta-12 (SF12-MCS)
  • questionário de avaliação de saúde
  • dores inflamatórias nas costas.

Um total de 855 doentes com artrite psoriática foram incluídos no estudo. Os resultados indicaram que o PASDAS médio era significativamente mais elevado nas mulheres do que nos homens (3,5 vs. 2,7, p <0,001). Em comparação com os homens, as mulheres tiveram resultados significativamente piores para articulações inchadas e sensíveis, entesite, VAS da atividade global da doença, PCR, SF12-PCS, SF12-MCS, e questionário de avaliação de saúde (todos p <0,001). Os objetivos PASDAS de tratamento não foram atingidos mais frequentemente em mulheres do que em homens (odds ratio [OR], 2,03; p <0,001). Os fatores significativamente associados a não alcançar o objetivo de tratamento para a coorte global incluíram IMC, doença das unhas, dores inflamatórias nas costas e número de medicamentos anti-reumáticos modificadores da doença utilizados atualmente ou no passado. Estratificado para sexo, o IMC estava associado a não atingir o alvo do tratamento nas mulheres, mas não nos homens (OR para IMC 25-30, 3,43; p <0,001; OR para IMC 30-35, 2,59; p =0,019; OR para IMC >35, 2,41; p =0,002).

As limitações deste estudo incluíram o desenho transversal, a falta de doentes com doença recentemente diagnosticada na coorte, e a incapacidade de determinar a relação causal entre o IMC e o aumento de atividade da doença.

Os investigadores realçaram o facto de que na artrite reumatoide “há provas de que o excesso de peso está associado a uma maior atividade da doença nas mulheres, mas não nos homens. Tanto quanto sabemos, somos os primeiros a mostrar que o mesmo se aplica à artrite psoriática". Além disso, "um IMC mais elevado nas mulheres, mas não nos homens, foi associado a não se atingir o objetivo do tratamento. Isto sugere que os reumatologistas deveriam prestar atenção extra à perda de peso na gestão da doença das mulheres com artrite psoriática".

Partilhar

Publicações